top of page
WIX BANNER TÍTULOS.jpg

ANFA 2023 | Do laboratório ao design espacial:proposta para projetar sistemas enriquecidos

Por Andréa de Paiva


Ao unir o conceito científico de ambientes enriquecidos com o projeto arquitetônico, este artigo apresenta um framework que considera os espaços como sistemas, alterados não apenas pelas próprias configurações espaciais, mas também pela dinâmica humana que ocorre dentro deles. Com base numa metodologia de investigação exploratória, o trabalho visa ajudar cientistas e arquitetos a traduzir o conceito experimental de Ambientes Enriquecidos para a prática e educação arquitetônica para criar espaços que apoiem a plasticidade cerebral e os seus benefícios para a memória/aprendizagem e bem-estar geral.


A investigação em neurociências destacou o impacto substancial que o ambiente físico e as suas possibilidades podem ter na estrutura do cérebro (Rosenzweig et al., 1972; vanPraag et al., 2000), resultando também em alterações comportamentais e de bem-estar geral. Mais especificamente, a investigação sobre Ambientes Enriquecidos e Plasticidade Cerebral mostrou que a exposição a ambientes enriquecedores pode levar a mudanças estruturais benéficas no cérebro, resultando em capacidades cognitivas melhoradas, incluindo memória melhorada e reserva cognitiva (Mandolesi et al., 2017). Embora a maioria destes estudos tenha utilizado ratos em ambientes laboratoriais controlados, há evidências crescentes que sugerem que estes resultados também são relevantes para os seres humanos (Maguire et al., 2006; Mandolesi et al., 2017). Isto levanta a questão: o que torna um ambiente enriquecido para pessoas?


Comparar estudos em gaiolas de laboratório com ambientes construídos para humanos apresenta desafios. Embora os ratos nestes estudos vivam apenas em gaiolas, os humanos têm mais mais controle e opções e podem ocupar uma variedade de ambientes. Além disso, as gaiolas são limitadas e não oferecem todas as qualidades e recursos espaciais complexos que os ambientes reais oferecem. Neste contexto, este trabalho tem como objetivo desenvolver um framework que possa auxiliar arquitetos na tradução do conhecimento desde estudos de laboratório com ratos até seu trabalho projetando diversos espaços para diferentes usuários.


Este framework baseia-se na compreensão de que o Enriquecimento tem a ver com o que o ambiente permite aos indivíduos fazer, perceber e sentir e os espaços são parte de um Sistema Dinâmico baseado na experiência humana, e não apenas na configuração espacial. Portanto, nem todos os espaços precisam ser Enriquecidos, a combinação de ambientes do Sistema é que deve ser Enriquecida. Neste caso, a experiência humana e a sua dinâmica são centrais para o equilíbrio do sistema: diferentes grupos de utilizadores podem ocupar conjuntos distintos de espaços num edifício, criando subsistemas. Portanto, o que um subsistema precisa para oferecer uma experiência enriquecida pode diferir do que outro subsistema precisa, dependendo, entre outras coisas, de como o espaço é utilizado e por quem.


Com base numa revisão da literatura, o framework deste trabalho envolve uma compreensão holística dos arranjos espaciais e da forma como os humanos interagem dentro deles. Este framework poderia ajudar a unir o conceito científico de Ambientes Enriquecidos e o projeto arquitetônico. Seu propósito vai além da aplicação nas práticas de design, buscando facilitar diálogos entre neurociência e design para encontrar novas abordagens para uma arquitetura que melhore o bem-estar. Dadas as recentes transformações no uso do espaço, as abordagens de design que priorizam a experiência e o comportamento humano são cruciais para a criação de espaços alinhados com os nossos hábitos e necessidades.


ANFA Conference 2023



Esse artigo foi útil? deixe um comentário pra gente e siga o NeuroAU nas redes sociais! 😊




Referências:


Diamond, M. C., Krech, D., & Rosenzweig, M. R. (1964). The Effects Of An Enriched Environment On The Histology Of The Rat Cerebral Cortex. The Journal of comparative neurology, 123, 111–120.

Diamond, M. C., Rosenzweig, M. R., Bennett, E. L., Lindner, B., & Lyon, L. (1972). Effects of environmental enrichment and impoverishment on rat cerebral cortex. Journal of neurobiology, 3(1), 47–64.

Diamond M. C. (2001). Response of the brain to enrichment. Anais da Academia Brasileira de Ciencias, 73(2), 211–220.

Hebb, D.O. (1947) The Effects of Early Experience on Problem-Solving at Maturity. American Psychologist, 2, 737-745.

Kalman, E., & Keay, K. A. (2017). Hippocampal volume, social interactions, and the expression of the normal repertoire of resident-intruder behavior. Brain and behavior, 7(9)

Kentner, A. C., Lambert, K. G., Hannan, A. J., & Donaldson, S. T. (2019). Editorial: Environmental Enrichment: Enhancing Neural Plasticity, Resilience, and Repair. Frontiers in behavioral neuroscience, 13, 75.

Kim, J. J., & Diamond, D. M. (2002). The stressed hippocampus, synaptic plasticity and lost memories. Nature reviews. Neuroscience, 3(6), 453–462.

Maguire, E. A., Woollett, K., & Spiers, H. J. (2006). London taxi drivers and bus drivers: A structural MRI and neuropsychological analysis. Hippocampus, 16(12), 1091-1101.

Mandolesi, L., De Bartolo, P., Foti, F., Gelfo, F., Federico, F., Leggio, M. G., & Petrosini, L. (2008). Environmental enrichment provides a cognitive reserve to be spent in the case of brain lesion. Journal of Alzheimer's disease : JAD, 15(1), 11–28.

Mandolesi, L., Gelfo, F., Serra, L., Montuori, S., Polverino, A., Curcio, G., & Sorrentino, G. (2017). Environmental Factors Promoting Neural Plasticity: Insights from Animal and Human Studies. Neural plasticity, 2017, 7219461.

McEwen, B. S., & Sapolsky, R. M. (1995). Stress and cognitive function. Current opinion in neurobiology, 5(2), 205–216.

Mora F. (2013). Successful brain aging: plasticity, environmental enrichment, and lifestyle. Dialogues in clinical neuroscience, 15(1), 45–52.

Pavlides, C., Nivón, L. G., & McEwen, B. S. (2002). Effects of chronic stress on hippocampal long-term potentiation. Hippocampus, 12(2), 245–257.

Rosenzweig, M. R., Krech, D., Bennett, E. L., & Diamond, M. C. (1962). Effects of environmental complexity and training on brain chemistry and anatomy: a replication and extension. Journal of comparative and physiological psychology, 55, 429–437.

Petrosini, L., De Bartolo, P., Foti, F., Gelfo, F., Cutuli, D., Leggio, M. G., & Mandolesi, L. (2009). On whether the environmental enrichment may provide cognitive and brain reserves. Brain research reviews, 61(2), 221–239.

Rosenzweig, M. R., Bennett, E. L., & Diamond, M. C. (1972). Brain changes in response to experience. Scientific American, 226(2), 22–29.

Roth A. R. (2022). Social connectedness and cognitive decline. The lancet. Healthy longevity, 3(11), e723–e724.

Snowdon, D. A. Nun Study (2003). Healthy aging and dementia: findings from the Nun Study. Annals of internal medicine, 139(5 Pt 2), 450–454.

van Praag, H., Kempermann, G., & Gage, F. H. (2000). Neural consequences of environmental enrichment. Nature reviews. Neuroscience, 1(3), 191–198.

van Praag, H., Shubert, T., Zhao, C., & Gage, F. H. (2005). Exercise enhances learning and hippocampal neurogenesis in aged mice. The Journal of neuroscience : the official journal of the Society for Neuroscience, 25(38), 8680–8685.

van Praag H. (2009). Exercise and the brain: something to chew on. Trends in neurosciences, 32(5), 283–290.

Vivar, C., Potter, M. C., & van Praag, H. (2013). All about running: synaptic plasticity, growth factors and adult hippocampal neurogenesis. Current topics in behavioral neurosciences, 15, 189–210. https://doi.org/10.1007/7854_2012_220

Weiss, J. T., & Donlea, J. M. (2022). Roles for Sleep in Neural and Behavioral Plasticity: Reviewing Variation in the Consequences of Sleep Loss. Frontiers in behavioral neuroscience, 15, 777799.

231 visualizações

Comentarios


bottom of page